Anfavea prevê alta de 13% para máquinas agrícolas em 2017

O presidente da Anfavea, Antonio Megale, ressalta que o segmento agrícola é que impulsionou o bom resultado dos últimos meses, diferente do segmento de construção.

3-cursos-de-manutencao-de-maquinas-pesadas

Com a expectativa de uma boa safra, a Anfavea prevê um 2017 positivo para o setor de máquinas agrícolas, cujas projeções apontam para vendas de 49,5 mil unidades, crescimento de 13% com relação ao resultado de 2016, quando o setor atingiu as 42,8 mil unidades entregues ao atacado. Embora este volume represente queda de 4,8% sobre o ano anterior, o segmento reagiu e nos últimos seis meses vem apresentando um desempenho considerado positivo pelas fabricantes, sinalizando continuação deste cenário nos próximos 12 meses.

“Houve uma confirmação da tendência de crescimento em patamares aceitáveis para a atual produtividade brasileira, com o início de uma boa trajetória de vendas na metade de 2016, mas que não foi suficiente para evitar a queda no ano. A expectativa para 2017 é que o desempenho seja melhor”, afirma a vice-presidente da entidade, Ana Helena de Andrade, durante a divulgação dos resultados na quinta-feira, 5, em São Paulo.

O presidente da Anfavea, Antonio Megale, ressalta que o segmento agrícola é que impulsionou o bom resultado dos últimos meses, diferente do segmento de construção (máquinas rodoviárias), que sofreu quedas importantes, como a de 20% nos tratores de esteira e de 40% em retroescavadeiras. “As máquinas agrícolas é que fizeram a diferença: o agronegócio segue com expectativa positiva devido à boa projeção para a próxima safra de grãos e também pelos bons preços praticados para as commodities pelo mercado. Já as de construção é um setor que está parado; depende de investimentos em infraestrutura, que estão retraídos por conta dos limites dos gastos de estados e municípios”, argumenta.

O resultado de dezembro surpreendeu ao registrar alta expressiva de 84% sobre igual mês de 2015. Segundo Ana Helena, isto não teve relação com o anúncio do governo já no fim de 2016 que prevê realocar R$ 2 bilhões em recursos para a linha de financiamento Moderfrota.

“Este crescimento se deve a um dezembro de 2015 extremamente ruim e pelo fato de que não houve falta de recursos, como já aconteceu em outros dezembro. De fato, houve um retorno dos investimentos por parte dos agricultores. O governo também já sinalizou que o Pronaf [programa destinado à agricultura familiar] será retomado já no próximo dia 9 de janeiro; e o Moderfrota, com este reforço de recursos, vai permitir que as vendas avancem ao longo dos primeiros meses deste ano”, explica.

As exportações, que fecharam o ano passado com variação negativa de 5,7%, para 9,6 mil unidades, devem crescer 6% em 2017, para algo como 10,2 mil máquinas, estimam as fabricantes.

Acompanhando a alta do mercado e das exportações, a Anfavea espera acelerar as atividades nas fábricas e aumentar em 10,7% a produção do segmento em 2017, com um volume total de 59,6 mil máquinas. Em 2016, as linhas produziram pouco mais de 57 mil máquinas, queda de 4,1% no comparativo anual.

As informações são do site Automotive Business por Sueli Reis 

Leia também